A poesia é minha prece

prostro-me 

rogo pelo alimento da alma 

intercedo pelos  gritos emudecidos 

 

deito-me em linhas vastas 

que me guiam mansamente em águas tranquilas 

e mergulham-me no fogo que crepita em lutas de classes 

 

ainda que ande pelo vale da sombra em vida 

não temerei mal algum 

versos me consolam 

 

venha a nós o poético reino 

 

[a poesia é minha prece] 

voltar para poesia

show fsN normalcase tsN fwB right|show tsN left fwR|fwR show left tsN|b04 bsd|||login news c10 fwB fsN|normalcase uppercase fwB sbww c05 fwR c10 tsN|c10 fwB|login news normalcase uppercase fwB c10|normalcase uppercase tsN fwB fsN c05s|normalcase uppercase c10|content-inner||