Embriaguez

Vinho suave  

que toca meus lábios,  

degusto o vórtice da ansiedade e da volúpia.  

Dentro, o coração palpita no  

mesmo ritmo da chuva forte lá de fora.  

Parece existir somente  

o aqui e o agora.  

  

Vinho suave  

cujo perfume me envolve.  

A essência das rosas   

aqui está  

deixando aquela   

doce inocência pra lá.  

  

O vinho suave  

umedece meus lábios  

por meio de teus lábios.  

Sinto a pela lisa e macia,  

O real cedeu à poesia.  

  

Vinho suave e fino,  

fez-nos perder o tino.  

A mão que segurava a taça envolve a cintura.   

Já a outra, caminha na nuca deixando-a segura.  

  

A tempestade cresce...  

mas não é a lá de fora...  

  

Serei eternamente seu dentro do agora...  

  

Enquanto isso,   

uma lua única  

de brilho esplendor  

observa de longe  

a embriaguez de um amor.

voltar para poesia

show fsN normalcase tsN fwB right|show tsN left fwR|fwR show left tsN|b04 bsd|||login news c10 fwB fsN|normalcase uppercase fwB sbww c05 fwR c10 tsN|c10 fwB|login news normalcase uppercase fwB c10|normalcase uppercase tsN fwB fsN c05s|normalcase uppercase c10|content-inner||