Novas águas, outros ventos

Eis-me, novamente, na problemática de meu tempo:  

Conheço pessoas   

que me desconhecem depois,  

sou único e vários ao mesmo tempo.  

Respiro a instabilidade trazida pelo vento  

e nado todos os dias no rio de Heráclito,  

mudar é um fixo hábito.  

E quando as águas mornas   

se tornam frias,  

percebo que não sou apenas  

o homem de sete faces,   

pois, possuo uma face   

a cada amor,  

a cada dor,  

a cada experiência.  

E, assim,  

vivo as fases da existência  

e as mudanças de meu tempo  

trazidas pela instabilidade do vento.

voltar para poesia

show fsN normalcase tsN fwB right|show tsN left fwR|fwR show left tsN|b04 bsd|||login news c10 fwB fsN|normalcase uppercase fwB sbww c05 fwR c10 tsN|c10 fwB|login news normalcase uppercase fwB c10|normalcase uppercase tsN fwB fsN c05s|normalcase uppercase c10|content-inner||