pinturas que servem a almoxarifado

eu queria que a gente se completasse
assim como o reflexo do sol
se encontra nas águas de uma pintura de monet

eu queria que você sorrisse ao me olhar distraído
na mesma inocência de criança
que recebe elogio após fazer uma obra de arte
numa sulfite que lhe serve de brinquedo

eu queria apenas que seus olhos se apaixonassem pelos meus
quando me visse fazendo coisa qualquer
como recitar um poema
ou fazer bolo de fubá

eu queria que você sentisse
a saudade que chico cantou pensando em iolanda
quando ficasse mais de três dias sem me ver

eu queria terminar a história ideal de rubem braga
aquela mesma história que chegaria ao fundo de uma aldeia da china
aquela que faria sorrir a moça doente da pequena casa cinzenta

mas eu sou tão triste quanto a amiga imaginária de rubem braga

eu queria que você tivesse intimidade
para narrar seus problemas a mim
e não que eu fosse o protagonista deles

queria ter a voz do anjo de valença
e anunciasse paixões em seu ouvido
que martin scorsese ficasse com inveja de nosso roteiro
que minha presença fosse tão doce quanto assistir as constelações na praia da lagoinha do leste

queria mesmo apenas um único motivo para que se orgulhasse

apenas um

mas não sou belo como as cores de monet

antes de tudo
sou o touro de picasso
a cerveja quente em bukowski
a mão que pega a sulfite e amassa os sonhos de criança

[sobre pinturas que servem a almoxarifado e não a paredes de um museu]

voltar para poesia

show fsN normalcase tsN fwB right|show tsN left fwR|fwR show left tsN|b04 bsd|||login news c10 fwB fsN|normalcase uppercase fwB sbww c05 fwR c10 tsN|c10 fwB|login news normalcase uppercase fwB c10|normalcase uppercase tsN fwB fsN c05s|normalcase uppercase c10|content-inner||