quando as luzes da vida se apagam, é hora de dormir

quase todas as noites
minha morte vem me visitar

abre a porta do meu quarto
senta ao meu lado na cama
conta histórias pra dormir

ela não veste capuz
não usa foice
é até bonita, faz cafuné
e sempre promete me levar ao parque para me ensinar a andar de patins
(eu que nunca tenho tempo de ir ao parque nas manhãs de domingo)

ela conversa sobre o passado e o futuro
só o presente que não tem enredo

descobri que minha morte é artista
sabe contar histórias como ninguém
até suas fábulas repetidas parecem histórias novas

minha morte é a poeta que eu nunca fui

ela é tipo mãe superprotetora
sufoca o filho
mas apenas quer me tirar da vida
para que eu não me machuque mais

antes me incomodava com isso
e até desouvia seus conselhos

eu era do tipo que gostava de viver de perigos
chupava sorvete no calor sem me preocupar com choque térmico na garganta
tomava chuva e fazia hora pro banho morno
tentava atingir 70km no velocímetro da bicicleta naquele descidão da avenida dos nacionalistas
atirava mamonas nos amigos mesmo não tendo munição reserva
quis ter diploma mesmo nascendo na periferia
e já planejei a vida inteira no minuto de um beijo

eu era de fazer essas coisas que só gente de coragem consegue viver

mas hoje presto mais atenção nas narrativas da minha morte
porque percebi que suas histórias não são de autoria dela
são minha, sua, dos nossos pais e avós, de serguéi iessiênin e de vladimir mayakovsky, de augusto dos anjos, dos niilistas do século XX, de goethe, dos escandinavos, dos bárbaros, de jonas e até de orfeu.

são narrativas do que vivemos e viveremos no verso que é o lapso de todos os séculos
narrativas de todos os mares que transbordam numa lágrima
e de todas as hemorragias parindo um adeus

as visitas de minha morte são o berço que me abraça no sono tranquilo

intranquilo mesmo é o acordar

intranquilo é o despertar de sonhos
que se quebram em ondas
o desesperar de sonhos-areia golpeados pelo mar

[quando as luzes vida da vida se apagam, é hora de dormir]

voltar para poesia

show fsN normalcase tsN fwB right|show tsN left fwR|fwR show left tsN|b04 bsd|||login news c10 fwB fsN|normalcase uppercase fwB sbww c05 fwR c10 tsN|c10 fwB|login news normalcase uppercase fwB c10|normalcase uppercase tsN fwB fsN c05s|normalcase uppercase c10|content-inner||