barroco

prisioneiro de mim mesmo meu cárcere é cruz e natureza

sou julgado na Lei do pecado livre da pena de morte e privado de viver

foragido da Lei vivo e morro dentro de mim

sirvo aos céus em ares terrenos ajoelho-me na terra diante do etéreo

sou poeta barroco