l’infini

todos os planetas deram uma pequena pausa para que a gente contemplasse as poucas estrelas no céu daquele domingo frio em sp aquele instante em que uma galáxia inteira para mas tudo gira confuso dentro do peito é sobre o qual escrevo é aquele instante em que duas mãos cadentes passam no meio de uma avenida vazia que fez a gente olhar o céu céu museu de noite aberta nem um louvre poderia superar a imensidão da tela azul acima l'infini ne tient pas dans un moule do universo a vida é espelho ensina a viver sem se emoldurar o horizonte quem antes nos leu foram os astros ledores no breu pois suas vozes narraram as possibilidades de leitura da vida da arte, daquela noite fria e de meus lábios deslizando entre suas pernas narraram nosso suor escorrendo mesmo dentro de uma noite fria narraram nossa pele em atrito e seu sorriso dentro de uma noite nublada eu te abraçando pelas costas no momento em que as estrelas saem para o quintal sua nuca repousando em meu ombro como a escuridão descansa na infinitude contemplando o céu a gente viu as três marias tentou achar vênus a gente falou da gaiola de kafka da palavra que lavra que frei beto semeou da culpa do cristo diante do grande inquisidor você me explicou sobre o conjunto de regras e princípios no sistema jurídico eu fingi que entendia apenas porque você é linda explicando algo a gente concordou que catchup na pizza é bom sobre azeitona não houve consenso a gente reclamou de juízes que julgam de forma arbitrária e viram ministros a gente repetiu brincando frases do chaves e ainda sorriu ao perceber que ambos leem clarice depois a gente voltou para as três marias e sorriu e houve silêncio a gente percebeu que há muitos mistérios no céu e na terra e que nossa filosofia é vã sim talvez as três marias repararam na gente ali olhando talvez refletiram sobre os mistérios daqui talvez o complexo de órion todo não entendeu a simplicidade de dois corpos que se gostam você me pediu no fim da noite para que eu escrevesse um poema sobre você nas estrelas eu disse que não havia espaço no céu que a gente vê o brilho das estrelas mesmo sem saber o nome delas que as definições são coisas terrenas a gente dá significado demais para as coisas que o universo nada mais é do que um aglomerado de átomos, íons, de trilhões de galáxias, sextilhões de estrelas e de matéria escura eu disse que era melhor deixar o céu para os astronautas para os satélites para os gatos à meia noite para os poetas boêmios para os amores impossíveis foi a primeira vez que menti para você não é por isso que não vou escrever seu nome na estrela escrevo seu nome na terra para eu poder te tocar [notre infini ne tient pas dans un moule]



Inscreva-se para receber novidades

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco

©2020 por Daniel Carvalho e Kerstin Buck

DANIELGTR - CNPJ: 36.240.550/0001-25 - São Paulo, SP
danielgtr@gmail.com