sobrevivência

no campo de guerra da existência travam-se lutas para sobreviver

o soldado é o outro e o próprio eu que lutam para não apenas existir

quantas vezes a bala atingiu o coração de alguém? quantas vezes a mente tornou-se sua própria refém?

ora traumas protegem de perigos ora criam seus próprios inimigos fere-se e é ferido ama-se e é desiludido

o soldado que atira e acerta a lágrima do olhar é o mesmo que anos depois vê seu riso calar

uma guerra interna é declarada quando se cega e quando se erra

[e quando a esperança se encerra?]

abaixam-se as armas, finda-se a batalha mas não há medalha ao vencedor nem bandeira branca de paz

o sorriso é levado todos os dias ao paredão de fuzilamento lá, armas frias transformam riso em choro e lamento por estar em vida e mesmo assim à morte ceder

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

abandono

hoje mais um sonho meu foi embora sem se despedir